Blog

Números mostram queda do Galo com nova formação, mas Levir fala em manutenção

Somando as partidas das etapas preliminares e da fase de grupos, Atlético-MG entrou em campo seis vezes na atual Libertadores, sendo três se utilizando de uma formação com dois volantes (Adílson e Elias) e outras três apostando em três homens de marcação (Elias passou a ocupar a posição de Chará pelo lado do campo). Pois desde que o técnico Levir Culpi decidiu mudar a maneira de atuar da equipe, esta não mais venceu e sequer marcou gol.

De torcedor para torcedor: clique aqui e siga o 90min no Instagram!

Nos dois jogos contra o Danubio (empate em 2 a 2, no Uruguai, e vitória por 3 a 2 no Independência e no embate de ida frente ao Defensor (vitória por 2 a 0, no Uruguai), além das sete bolas na rede, o Galo somou 54 finalizações, sendo 28 na direção da meta adversária e 26 para fora. Ou seja, uma média de 18 tentativas por confronto. Depois disso, afora os resultados (0 a 0 com o Defensor e derrotas por 1 a 0 para Cerro Porteño-PAR, em casa, Nacional-URU, fora), veio a queda de produção. Com 41 arremates (13 certos e 28 errados), e média caiu para 13,7.

Mesmo que isso preocupe, o treinador não pretende alterar novamente o time. “A falta de gols preocupa, mas não mexemos em muitas coisas. Temos que repetir o que fizemos de certo. Se a cada momento ruim eu começar a mexer na equipe, aí é que nunca vai dar certo”, disse. Sem pontuar no Grupo E depois de duas rodadas, o Atlético-MG já vê o Nacional chegar aos seis pontos. Se vencer o Zamora, da Venezuela, em casa, o Cerro também alcançará o mesmo patamar na noite desta quarta-feira. Esta partida começa às 19h15min.

Todos os Créditos

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vasco vence e complica o Cruzeiro; veja coletiva de Vanderlei Luxemburgo