Blog

Hora da profecia: Diego Souza no Botafogo será uma história de sucesso?

​Na manhã deste sábado (9), Diego Souza foi apresentado com pompas em General Severiano, sede social do ​Botafogo. Contratado via empréstimo junto ao São Paulo, o centroavante defenderá o Glorioso até dezembro de 2019, podendo renovar por até duas temporadas ao final deste período. Controverso mas qualidade técnica inquestionável, o novo camisa 7 divide opiniões entre o senso comum, mas provoca bastante euforia entre os torcedores alvinegros. Entre os ressabiados e os empolgados, quem está com a razão?

Já segue a gente no Instagram? Clique aqui e venha para a Casa dos Torcedores!

​​É fato que o Botafogo carece de nomes de peso em seu atual elenco. Vivendo anos consecutivos de baixa e campanhas irregularidades, o Alvinegro viu suas maiores joias se despedindo na última janela de transferências (Matheus Fernandes e Igor Rabello), sem que reposições à altura ocorressem. A posição de centroavante era uma grande carência no plantel de Zé Ricardo, e Diego Souza pintou como uma opção de mercado bastante viável à realidade financeira do clube carioca. Considerando estas grandezas específicas – o renome do atleta e o baixo custo da operação -, a negociação foi um acerto.

A grande dúvida fica a cargo justamente do que é mais relevante no futebol: o campo e bola, ou seja, o aspecto esportivo. Aos 33 anos, Diego já está na ‘curva para baixo’ de sua carreira e, apesar de ter sido um dos artilheiros do São Paulo em 2018, não agradou a torcida são-paulina em desempenho e principalmente em comprometimento. A questão da motivação é algo a se ficar de olho sempre que o experiente atleta está em pauta: no clube que confessou amar, o Sport, viveu anos prósperos e se tornou ídolo. No ​Fluminense, em 2016, entrou em rota de colisão nos bastidores e deixou o clube com apenas nove jogos disputados.

Temperamental e “sujeito a chuvas e trovoadas”, o atacante chega a um clube que deposita fichas altíssimas em seu futebol. No Botafogo, ​precisará ser protagonista e se doar ao máximo, tendo em vista que o Alvinegro, consciente das carências e limitações técnicas de seu elenco, tenta equiparar forças e brigar por títulos a partir da entrega e doação de seus jogadores. Transpiração, no entanto, não é uma característica que se atribui a Diego Souza. Resta saber se a festa e o acolhimento do torcedor do Glorioso serão suficientes para recuperar a ‘faceta’ brigadora do camisa 7, perdida desde os tempos de Leão da Ilha.

Todos os Créditos

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vasco vence e complica o Cruzeiro; veja coletiva de Vanderlei Luxemburgo