Blog

Atuação do Palmeiras gera fortes críticas em cima de nomes escolhidos por Felipão

​Em teoria, o ​Palmeiras enfrentou na noite desta terça-feira o seu jogo mais complicado na fase de grupos da Libertadores da América. E não foi bem. Na pior atuação do time na temporada, perdeu por 1 a 0 para o San Lorenzo, em Buenos Aires, e ainda caiu para a segunda colocação da Chave E, ficando atrás justamente do rival argentino. A partida, aliás, escancarou a falta que dois nomes fazem à equipe.

De torcedor para torcedor: clique aqui e siga o 90min no Instagram!

Ricardo Goulart e Gustavo Scarpa, atletas dos mais importantes para que a engrenagem do sistema ofensivo do Verdão funcione, não estiveram em campo, abrindo espaço para as entradas de Moisés e Felipe Pires (este último ainda seria substituído por Raphael Veiga). Pois o primeiro, juntamente com Lucas Lima, que foi colocado no lugar de Bruno Henrique no decorrer do duelo, foram os jogadores mais contestados pela torcida após o revés. E com justiça. Moisés até chegou a dar esperanças de que seria destaque depois de quase marcar um golaço de bicicleta. Mas foi só. Lucas Lima, por sua vez, praticamente trotou dentro de campo, ele que, nos últimos dez jogos em que foi relacionado, atuou durante os 90 minutos somente em dois.

O técnico Luiz Felipe Scolari também não escapou das cobranças, principalmente por conta da não utilização de Zé Rafael e Arthur Cabral. Ao menos em sua entrevista coletiva ele reconheceu a má jornada palmeirense. No próximo domingo, o Verdão decide seu futuro no Campeonato Paulista enfrentando o São Paulo, no Allianz Parque, pela rodada de volta da fase semifinal. Goulart e Scarpa deverão voltar naturalmente. Pela Libertadores, a equipe volta a atuar no dia 10, contra o Junior Barranquilla-COL, também em casa.

Para mais notícias do Palmeiras, clique ​aqui.

Todos os Créditos

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vasco vence e complica o Cruzeiro; veja coletiva de Vanderlei Luxemburgo